Ex-ministro de Filipe Nyusi em “Parte incerta”



A Segunda secção civil do Tribunal Judicial da Província de Nampula (TJPN) procura (va) por Abduremane Lino de Almeida, ex-ministro da Justiça, Assuntos Constitucionais e Religiosos num caso litigioso em que têm que proceder com a entrega de um imóvel naquela cidade.

 O ex-ministro do governo de Filipe Nyusi que foi um dos primeiros a cair em desgraça, era dado pelo tribunal como “estando em parte incerta do país” e tinha oito dias, contados a partir do dia 12 de Julho, para se apresentar e contestar sobre uma sentença que lhe era desfavorável. 

A nota judicial, assinada pela juíza Ricardina Gabriel Damião e pelo Ajudante de Escrivão, Agostinho Cauira que foi publicada no jornal “Noticias”. De Almeida caiu em desgraça nos primeiros dias do consulado de Nyusi, por conta de um expediente malicioso.

Movido pelo fervoroso desejo de ir à Meca, o então ministro em exercício foi aos cofres dos Registos e Notariado e através do ofício N.º 217/ SP-MJCR/2015 de 1 de Se­tembro, retirou 44.487 dólares dos fundos públicos e convidou amigos seus para irem com ele em peregrinação ao santuário do Islão. 

Foi assim que Amis­se Baquile, proveniente de Cabo Delgado, Adelino Pinar e Ibraimo Selemane, estes últimos de Nampula foram à Arabia Saudita as expressas dos contribuintes e Abdurremane Lino de Almeida acabou por ir se sentar no banco dos réus devido a ação movida pelo Gabinete Central de Combate a Corrupção (GCCC) e foi condenado no dia 12 de Julho de 2017 a dois anos de prisão por crimes de abuso de cargo e de funções e pagamento indevido a pessoas sem qualquer vínculo com o Estado. É este mesmo Lino que há dias foi dado em “Parte incerta”.

Fonte: moz24h


Publicar um comentário

0 Comentários