INSURGENTES CONTINUAM COM ATAQUES SANGRENTOS E DESTA VEZ ESCALARAM AS QUIRIMBAS


A chacina mostra-se ainda longe de terminar na província de Cabo Delgado, onde nos últimos dias o grupo armado, que aterroriza os distritos da zona centro e norte da província, tem exibido a sua musculatura, perante a inoperância das Forças de Defesa e Segurança (FDS).

Depois de escalar Mocímboa da Praia, Quissanga e Muidumbe, na última sexta-feira, o grupo escalou o Arquipélago das Quirimbas, onde causou cinco vítimas mortais, das quais três por afogamento, quando tentavam fugir do local. Uma pessoa foi carbonizada e outra foi baleada. Um dos mortos é um agente económico local, segundo fontes locais.

De acordo com as fontes, o grupo deslocou-se àquele Arquipélago, no final do dia de quinta-feira, depois de se fazer passar de cidadãos civis, para conseguir atravessar para aquele ponto do país. As fontes referem que o grupo posicionou-se no local durante a noite, tendo iniciado as suas acções macabras durante a madrugada.

Para além das cinco pessoas mortas, as fontes garantem que o grupo também fez refém cerca de 60 pessoas, entretanto, acabariam sendo libertadas. As fontes não clarificaram em que circunstâncias os reféns foram libertados. Acrescentam que, durante o período de pânico e terror, um helicóptero foi visto a sobrevoar a zona, mas não foi testemunhada nenhuma acção de combate ou retaliação, pelo que não se sabe se o mesmo pertence ou não às FDS.

Como tem sido hábito, os insurgentes vandalizaram infra-estruturas sociais locais, como a Escola Primária local, a Residência oficial do Chefe do Posto Administrativo, Centro de Saúde e residências da população.

Com o medo e pânico generalizado, a população decidiu abandonar aquele ponto turístico para a parte continental, levando consigo bens pessoais e um mar de incerteza. Na ilha do Ibo, o medo e o pânico também se espalham pela população, temendo um novo ataque militar.

Referir que no ataque levado a cabo pelo grupo à aldeia Muambula, no distrito de Muidumbe, as fontes falam de cinco mortos e vandalização de algumas infra-estruturas sociais importantes, como a Missão de Nangololo, onde fica uma das antigas igrejas da província de Cabo Delgado; a Escola Secundária local e vários estabelecimentos comerciais

Publicar um comentário

0 Comentários